Como Surgiu E Se Desenvolveu A Teledramaturgia Mexicana Através Das Telas De Uma Das Maiores Produtoras De Novelas Do Mundo: Televisa – História Das Novelas Mexicanas – Parte 12

História das Novelas Mexicanas

Capítulo XII – Década De 2010: Novelas Em Alta Definição   

        Os últimos anos tem sido de muito trabalho para a Televisa, a forte concorrência com a Rede Globo pela venda de novelas, fez o canal mexicano se inovar. Anos antes as novelas já haviam começado a ser gravadas em HD, mas foi a partir de 2010 que todas as produções do canal aderiram ao mundo em alta definição.

A Dona

       Uma das novelas mais famosas e de sucesso da nova era sem dúvidas é “A Dona”, no original “Soy Tu Dueña”, trazendo a grande atriz e cantora Lucero em um personagem forte e decidido, Valentina Vilaça.

Muitas atrizes chegaram a pleitear o papel principal desta grande produção de Nicandro Díaz, nomes como o de Adela Noriega e Thalía chegaram a ser sondados pela Televisa, e a princípio Lucero teria sido chamada para viver a vilã, Ivana. Mas acabou ficando com o papel protagônico.

Valentina (Lucero) era uma mocinha apaixonada pela vida e por seu noivo Alonso (David Zepeda), mas este buscava apenas sua fortuna, e em parceria com a prima de Valentina, Ivana (Gabriela Spanic), planejaram o golpe. O abandono de Valentina no altar a faz mudar-se para a fazenda de seus pais, tornando-se uma mulher amarga e prepotente. Enquanto Ivana, que também havia sido abandonada tentou suicídio e acabou indo infernizar a vida da prima em sua fazenda.

O destino ainda faria as duas se enfrentarem por mais um homem, José Miguel (Fernando Colunga), um fazendeiro vizinho que se apaixona por Valentina e luta para domá-la, uma vez que ela está fechada para qualquer tipo de relacionamento. Mas é José Miguel que a faz acreditar mais uma vez no amor, porém seus dias de felicidade estão contados pois a invejosa e descontrolada Ivana decide separá-los, com a ajuda do capataz de Valentina, Rodrigo Gavilán (Sergio Goyri) que estava loucamente apaixonado pela patroa.

“A Dona” foi exportada para quase 100 países e tornou-se uma das mais vendidas dos últimos anos. Lucero e Fernando Colunga confirmariam aqui a química que tem (eles já haviam sido par romântico em “Alborada”, 2005, e haviam atuado juntos em “Mañana es Para Siempre”, em 2008/2009, onde a atriz interpretou outro grande e memorável papel, a vilã Barbara Greco).

Gabriela Spanic, voltaria a Televisa depois de 9 anos de afastamento e com um papel de vilã. Porém, seu relacionamento com os demais integrantes do elenco e da produção nunca foi fácil. Diversas acusações de estrelismo vieram à tona, e a atriz ao terminar a novela foi de malas prontas pra TV Azteca.

O sucesso inegável de A Dona fez com que a Televisa estourasse mais uma vez na audiência, mesmo tendo tido como antecessora a fraca e controversa versão recente de “Corazón Salvaje”, que havia patinado nos números.  

A novela chegou a concorrer a 11 prêmios TVyNovelas, mas levou apenas 3, devido à forte concorrência no ano seguinte, 2011. Destaca-se o prêmio de melhor ator para Fernando Colunga, em mais um excelente trabalho.

La Que No Podía Amar

            Lançada há alguns anos na Televisa, sempre em papéis de destaque, em 2011 foi a vez de Ana Brenda Contreras ganhar seu primeiro papel como protagonista de uma novela. José Alberto Castro, com quem já havia trabalhado em “Teresa”, deu a ela a chance de se tornar protagonista no horário das 7 do Canal de las Estrellas.

A história começa com Ana Paula (Ana Brenda) preparando-se para ser enfermeira. Por ser órfã, vive com seu irmão, Miguel (Osvaldo Benavides) na casa de sua tia Rosaura (Ana Bertha Espín), uma mulher amarga e ambiciosa que não se conformou em carregar os sobrinhos como um peso.

            Por tentar se livrar de um assédio, Ana Paula acaba agredindo o dono da casa onde vivem e fica em situação cada vez mais difícil. É quando Bruno (Julián Gil), advogado de um poderoso fazendeiro, Rogélio (Jorge Salinas) tem a ideia de arrumar uma esposa para o patrão afim de que ela herde seu dinheiro após sua morte, beneficiando sua esposa e a ele.

Bruno consegue emprego de enfermeira para Ana Paula cuidar do patrão que vive doente. Nas idas e vindas para a casa de seu patrão, conhece Gustavo (José Ron) um homem bom por quem se apaixona. Mas com a ajuda de sua tia, Bruno os separa e obriga Ana Paula a se casar com o patrão. Tornando a vida dela um pesadelo, pois Rogélio é um homem amargurado e rude que maltrata a todos.

A novela fez um tremendo sucesso no México e elevou Ana Brenda ao posto de uma das atrizes mais queridas da nova geração. Sua química com Jorge Salinas foi tanta que o público preferiu que ela ficasse com ele ao invés do protagonista vivido por José Ron. Caso que foi atendido pelo Produtor.

A novela era uma adaptação de “Sigo te Amando” novela de Carla Estrada que havia feito grande sucesso (inclusive na Tarde de Amor, no ano 2000 no SBT), mas diferente do final em que a mocinha terminava sozinha, em “La que no Podía Amar“, Ana Paula decidiu perdoar o vilão e se ficar ao seu lado.

Jorge Salinas ganhou aqui mais uma vez o prestígio como ator, e ganhou o prêmio TVyNovelas em 2012 como melhor ator. Era sua volta aos holofotes e o ator fez bonito em cena com Ana Brenda, formando um casal bastante lembrado por onde a novela passou.

Amores Verdaderos

            O produtor Nicandro Diaz teve como missão prosseguir a novela bem-sucedida “A Dona”, que ele havia produzido em 2010. Para tal feito, decidiu realizar uma adaptação de uma trama argentina que havia feito relativo sucesso naquele país.

Amores Verdaderos” é a produção vencedora das grandes categorias dos prêmios TVyNovelas em 2014, como ainda o de melhor novela.

Traz como protagonista a atriz Erika Buenfil, que estava afastada do posto de personagem principal de novelas há alguns anos. Uma aposta um tanto perigosa, já que cada vez mais é comum atrizes mais jovens para papéis principais. Adela Noriega mais uma vez teria sido chamada para a trama, mas a mesma recusou.

Para compor o elenco principal foi chamado Eduardo Yañez, galã de vários sucessos dos anos 1990. Além de Sebastián Rulli e Eiza González que formaram o casal co-protagonista da trama.  Marjorie de Sousa (uma das últimas revelações do México), Francisco Gattorno e Guillermo Capetillo foram os principais antagonistas da novela.

            O enredo trata de Victoria (Erika Buenfil), uma rica dona de terras que ao sofrer uma tentativa de sequestro, é salva por José Ángel (Eduardo Yañez) e decide contratá-lo como guarda-costas particular para proteger ela e sua família. Casada com Nelson (Guillermo Capetillo), que se uniu a ela apenas por interesse, ele a trai descaradamente e não aceita dar o divórcio a esposa.

Nicole (Eiza González) é a filha do casal Victoria e Nelson, uma jovem impulsiva, arrogante e esnobe que se apaixona por outro guarda-costas que sua mãe contrata especialmente para ela, Francisco (Sebastián Rulli), este amor fará com que ela se torne uma pessoa melhor em seguida, mas até então ela o trata com desdém.

 Acreditando que Francisco ama Liliana (Sherlyn), Nicole se casa com Rolando (Eleazar Gómez) mesmo sem amor. Vivendo um inferno em seu casamento. Enquanto Victoria se apaixona por seu respectivo segurança, José Ángel. Mãe e filha passam então pelos mesmos sofrimentos, ao amarem homens de classes inferiores e serem infelizes em seus respectivos matrimônios.

“Amores Verdaderos” foi sem dúvidas, uma das melhores produções da Televisa dos últimos anos, sucedeu “Abismo de Paixão” no horário nobre e segurou a alta audiência recebida. O público pode ver durante 181 capítulos uma novela bem produzida e com atores do primeiro time do canal.


Cenas do Próximo Capítulo (Terça, 24) ÚLTIMO CAPÍTULO

               Estamos chegando ao fim do nosso especial sobre as novelas mexicanas produzidas pela Televisa, no nosso último capítulo chegaremos as novelas e séries produzidas pelo canal entre 2016 e os dias de hoje, a criação do Blim, e os projetos da Televisa para os anos futuros.

Jorge Luis.

Siga o autor no Twitter

@JorgeLuisSQ   

Comentários