[the_ad id=”4868″]

Como Surgiu E Se Desenvolveu A Teledramaturgia Mexicana Através Das Telas De Uma Das Maiores Produtoras De Novelas Do Mundo: Televisa

A seguir veremos a primeira parte do especial “A História das Novelas Mexicanas”, através das décadas e a partir de alguns sucessos inesquecíveis e memoráveis.


HISTÓRIA DAS NOVELAS MEXICANAS

Introdução

A novela mexicana já é parte do dia-a-dia do público latino-americano há várias décadas. No Brasil, as mexicanas chegaram ao ar através do SBT em 1982, com o clássico “Os Ricos Também Choram”, sucesso mundial produzido e exibido pela Televisa entre 1979 e 1980, tornando sua protagonista Verónica Castro a rainha do gênero e o rosto da Televisa dos anos 80.

História das Novelas Mexicanas

Capítulo I – 1950: As Primeiras Telenovelas

História Da TV No México

Para entender melhor a história das novelas mexicanas é preciso ir mais longe. Chegando ao ano de 1950.  Assim como no Brasil, esse ano é marcado pela chegada da Televisão no México.

No ano seguinte, em 1951, vai oficialmente ao ar o segundo canal de televisão mexicano, a XEWTV (atual Las Estrellas – principal canal mexicano e pertencente ao Grupo Televisa) Canal 2.

Este canal, consolida-se de imediato como o maior investimento e maior audiência do México, fundada por Emílio Azcárraga Vidaurreta. Em 1952, é concedida uma terceira concessão para implementação de um canal de Televisão no México.

Ainda nesse ano Emílio Azcárraga compra os outros dois canais e consegue unir os canais 2,4 e 5 formando assim um conglomerado televisivo, em que todos os três canais recém-criados se tornariam o Telesistema Mexicano.

Apenas em 1958 é dada a largada para a produção de telenovelas, o principal produto televisivo exportado pelo México.

[the_ad id=”4868″]

Novelas De Destaque Nos Anos 1950: As Pioneiras

Novela Senda Prohibida

A primeira novela mexicana produzida pela Televisa (Ainda denominada Telesistema Mexicano) é “Senda Prohibida”, protagonizada pela atriz de teatro Silvia Derbez (conhecida em terras tupiniquins pela personagem Vovó Izabel, uma participação especial na novela “A Usurpadora”).

A novela conta, em cerca de 50 capítulos de meia-hora, a história de uma mulher má que seduz o patrão casado, vira sua amante e quando ele fica na miséria ela o abandona por outro, que a deixa no altar, de onde ela entra em depressão e se tranca em um quarto até a morte.

Uma narrativa simples, basicamente teatral e que prendeu tanto os Mexicanos em frente à TV que chegou a 100% de televisores sintonizados, um marco.

Telenovelas especiais / Path Proibida – 1958

Novela Gutierritos

Ainda em 1958 estreou uma novela chamada “Gutierritos”, que conta a história de um homem de bom caráter que sofre abusos por parte de todos que o rodeiam, principalmente da esposa que se casou por interesse.

Essa novela junto com “Senda Prohibida” foram as primeiras estreias de novelas no México e se tornaram o principal assunto pelas ruas, jornais e revistas da época tamanho o impacto.

Gutierritos era o apelido carinhoso (às vezes, pejorativo) que usavam para tratar o protagonista. A palavra virou sinônimo de apagado, fraco e medíocre, tamanha a popularidade pelas ruas mexicanas.

A novela foi refeita em 1965 com o elenco original, para que fosse guardada em vídeo e para que essa bela trama não ficasse apagada na memória das futuras gerações, visto que na década de 1950 as novelas ainda eram produzidas e transmitidas ao vivo, como no teatro.

 [the_ad id=”4868″]

Especial Telenovelas/ Gutierritos – 1858, com cenas do remake de 1965

Maricruz Olivier
Maricruz Olivier

No ano seguinte, em 1959, é lançada Teresa (original de Mim íBechelani, do clássico que eternizou várias atrizes em diferentes épocas). Maricruz Olivier deu vida a anti-heroína que foi capaz de tudo em nome do dinheiro e do poder.

A história da jovem que seduzia o professor para subir na vida, deixando de lado o amor que sentia por seu pretendente pobre impactou os mexicanos.

Uma das particularidades da 1° versão desse clássico é que ao final, a personagem perde a todos que a amavam e termina a novela pobre, solteirona e virgem.

Esse final paralisou a população mexicana que possuía aparelhos televisores na época.

Tamanho foi o sucesso de Teresa nas telinhas, que no ano seguinte Maricruz Olivier ganhou as telonas do cinema e interpretou a mesma personagem em um filme homônimo, onde pode deixar gravado sua grande atuação como Teresa, uma personagem mítica e inesquecível das novelas mexicanas.

Teresa – o filme que originou a novela

(Filme completo, lançado em 1960)

  • Uma curiosidade um tanto estranha é que nas três novelas citadas as protagonistas femininas assumiram papéis antagônicos (mesmo Gutierritos tendo como personagem central, Gutierres, sua esposa e também protagonista, era uma mulher má e ambiciosa que não poupava esforços para lançar veneno contra o bom marido).
  • As outras duas protagonistas interpretas por Silvia Derbéz (Senda Prohibida) e Maricruz Olivier (Teresa) eram mulheres atraentes que usaram de sua beleza para conseguir subir na vida e mudar sua realidade humilde. Mostrando uma vez mais que a Televisa ousou desde o início ao fugir do padrão de protagonistas boas e ternas que caracterizariam suas novelas mais famosas dos anos 1980 e 1990.

CENAS DO PRÓXIMO CAPÍTULO (Quarta-feira, 8)

Continuaremos no próximo capítulo deste especial falando sobre novelas mexicanas, dessa vez da década de 1960, com a chegada do vídeo-tape, onde as novelas puderam ficar gravadas na íntegra e seguem no acervo da Televisa, sendo utilizadas para relembrar o seu impacto na sociedade mexicana da época, como base para estudo dos pesquisadores sobre televisão, sempre disponíveis em especiais sobre novelas exibidos pelos canais do Grupo Televisa.

Jorge Luis.

Siga o autor no Twitter: @JorgeLuisSQ

Comentários